23/05/2021 09:00

Domingo de Pentecostes: a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos

Celebrado 50 dias depois do domingo de Páscoa, o Domingo de Pentecostes fecha o Tempo Pascal, período em que a Igreja celebra com júbilo a ressurreição de Cristo dos mortos. Mas, qual a importância dessa celebração para a nossa vivência da fé? 

 

A Bíblia nos conta que: “Quando chegou o dia de Pentecostes, os discípulos estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído como de um vento forte, que encheu toda a casa em que se encontravam. Então apareceram línguas como de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia expressar-se. Residiam em Jerusalém judeus devotos, de todas as nações que há debaixo do céu. Quando ouviram o ruído, reuniu-se a multidão, e todos ficaram confusos, pois cada um ouvia os discípulos falar em sua própria língua” (At, 2, 1-6). 

 

Pentecostes, antes desses acontecimentos retratados no livro dos Atos dos Apóstolos, já era uma festa comum entre o povo judeu. Era uma época de colheita, época de união e reunião entre pessoas de todas as culturas. Por isso os discípulos estavam reunidos. 

 

A partir da descida do Espírito Santo aos apóstolos e a efusão do mesmo no meio daqueles homens reforça-se a promessa de Jesus em que teríamos “Vida em abundância” depois de sua morte e ressurreição.

 

Ali, no meio de tantos povos, o Espírito se faz presente para realizar Sua obra de Santificação. Todo aquele que O acolhe, é convidado a conversão. A reunificação de todas as culturas, a partir da unidade transbordada pelo Espírito, é uma vontade que parte diretamente do coração de Deus. 

 

Jesus nos deixa o Consolador, o Espírito, para que, convidados à plenitude através d’Ele, sejamos integralmente felizes e renovados por Deus. A presença do Espírito em nossas vidas é a prova de que nunca estaremos abandonados por Jesus. 

 

Sua morte e ressurreição se concretizam ali. A partir de Pentecostes, temos uma maior acessibilidade à Graça, ao batismo e à evangelização. Estão abertos os caminhos para a salvação, porque agora contamos com um auxílio!