29/04/2022 09:00

“Se morrer, sabeis que morro de paixão pela Igreja”

Jovem, mística, analfabeta e doutora da Igreja, estamos falando de Santa Catarina de Sena!

 

Catarina veio de uma enorme e pobre família. Apesar do desejo em ser religiosa ter surgido muito cedo (aos 7 anos já consagrou sua virgindade a Cristo), ela ainda permaneceu um tempo empenhada nos serviços cotidianos do seu lar, onde cresceu muito em santidade. 

 

Mesmo sendo muitas vezes maltratada pela família, Catarina continuou servindo-os com amor, como se estivesse servindo ao próprio Cristo.

 

Com quinze anos, ela entrou então para a Ordem Terceira de São Domingos. Como era analfabeta, Catarina passou a ditar cartas com o intuito de orientar o povo, cardeais, bispos e até mesmo o Papa, que voltou para Roma seguindo os conselhos da Santa.

 

Seu amor pela Igreja era tamanho que dedicou-se inteiramente para resolver o conflito de autoridade, que se deu por influência da política francesa. A sede da Igreja da época era na França, e dois papas estavam disputando a Cátedra de São Pedro. Perseverante, Santa Catarina viajou por toda Itália, pregando e mantendo contato com governantes católicos e reis. Graças a essa missão abraçada por Santa Catarina, Urbano VI retornou a Roma e assumiu seu legítimo lugar de pastor da Igreja. 

 

Durante a peste negra, que dizimou quase um terço de toda população europeia, também se colocou em missão. Esteve ao lado dos doentes, muitas vezes oferecendo cura pelas suas orações. O amor que emanava de Santa Catarina foi responsável por várias conversões. 

 

Dotada de dons místicos, recebeu espiritual e fisicamente as chagas do Cristo; além de manter uma profunda comunhão com Deus Pai, por meio da qual teve origem sua obra: “O Diálogo”.

 

Morreu no ano de 1380, repetindo: “Se morrer, sabeis que morro de paixão pela Igreja”.

 

Em sua memória e homenagem, reze a oração de Santa Catarina de Sena: 

 

“Ó notável maravilha da Igreja, serva virgem, que por causa de suas extraordinárias virtudes e pelo que conseguistes para a Igreja e a Sociedade fostes aclamada e abençoada por todos. Volte teu bondoso olhar para mim, que confiante na tua poderosa proteção pede com todo o ardor da afeição e suplica a ti que obtenha pelas tuas preces o favor que ardentemente desejo (dizer aqui a graça desejada). Com tua imensa caridade recebestes de Deus os mais estupendos milagres e tornou-se a alegria e a esperança de todos nós que oramos a ti e rogamos ao teu coração tu recebestes do Divino Redentor. Serva e virgem, demonstre de novo o seu poder e da sua caridade e o seu nome será novamente exaltado e abençoado e consiga para nós, a graça suplicada com a eficácia de sua intercessão junto a Jesus e ainda a graça especial de que um dia estejamos juntos no Paraíso em eterna alegria e felicidade. Amém.

Pai Nosso… Ave Maria… Glória ao Pai… 

Santa Catarina de Sena, rogai por nós!”